Mandu Ladino, de Castelo Branco
MANDU LADINO, DE CASTELO BRANCO RESISTÊNCIA INDÍGENA NO SERTÃO DE DENTRO

Palavras-chave

Afrísio Neto Lobão Castelo Branco. Mandu Ladino. Resistência indígena. Piauí.

Resumo

O romance Mandu Ladino, de Anfríso Neto Lobão Castelo Branco, apresenta, de forma ficcional, uma releitura da história do indígena Mandu Ladino, personagem real que viveu no final do século XVII e início do XVIII e que se tornou símbolo da resistência indígena contra o processo de conquista impetrado pelo colonizador português em solo piauiense. Este artigo tem por objetivo examinar a história de resistência dos povos indígenas através da leitura do romance Mandu Ladino de Castelo Branco. Fundamentam teoricamente a pesquisa os estudos de Chaves (1994), Carvalho (2012), Hall (2002), Silva (1991), Spivak (2010), Valdés (2012) dentre outros. Em forma de considerações finais, ressalta-se a importância dos povos indígenas para a formação social e identitária do Piauí. Aponta-se também que Castelo Branco, de certa forma, se alinha a uma visão idealizada das narrativas indigenistas românticas criando, através do enlace amoroso entre a indígena Aluhy, irmã de mandu Ladino, e Miguel, filho do branco conquistador, a falsa ideia de um passado harmônico e glorioso. Ressalta-se, por fim, que, a resistência indígena face a um processo de conquista avassalador que dizimou com vários povos originais do Sertão de Dentro.

MANDU LADINO, DE CASTELO BRANCO RESISTÊNCIA INDÍGENA NO SERTÃO DE DENTRO